Libélula

Resumindo, basicamente a história é essa: encurralada, sem poder estar fora, então o mundo tinha que vir aqui pra dentro do “eu” lar. 

Ainda é doído – mas incrivelmente revelador e belo. Paredes desabando e sendo reconstruídas, véus se rasgando e formando outros tecidos, muros postos abaixo que se transformam em pontes. 

Passados a negação, a raiva, a descrença, a desconfiança, o descontrole da viagem não planejada por mim. Nem para esse momento. Nem dessa forma. Eis-me aqui. Algo, ou alguém – a quem me entrego – foi quem decidiu. E assim tinha que ser. E começa a ficar tudo bem. 

A internação agora é voluntária e espontânea. Há muito a ser aprendido! 

O caminho está cheio de luzes difusas, ecléticas, linguagens diferentes que versam sobre o mesmo tema e são aceitas sem preconceitos, sem limites, sem julgamentos, sem dogmas. 

A diferença está nos olhos, agora abertos, despertos, num outro nível, sendo trazidos à consciência e à verdade absolutas. 

Há tropeços, sofrimentos, imprevisibilidade, descompassos, desvios. Mas há muito mais anseio pelo prêmio da libertação. É o suficiente para não parar, nem voltar atrás, nem desistir. 

E, não se sabe quando, eu vou arrebentar o casulo e bater minhas novas asas de libélula. Estou indo, sem pressa, ao encontro, ao retorno à minha verdadeira casa!  

(Kátia Galvão -17 de julho de 2021)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s